Como o Adiamento Do Novo Filme Da Franquia 007 Pode Acarretar No Fechamento da Maior Empresa De Cinemas Do Reino Unido

Imagem de referência
Foto de Pedro SousaPostado por Pedro Sousa em 05/10/2020 00:53:34

Na tarde desse Domingo (4), a maior empresa de salas de cinema do Reino Unido, Cinemaworld, anunciou que  poderia fechar, temporariamente, todas as suas salas de apresentação, mas que nenhuma decisão final havia sido tomada ainda.    

 

Imagem de referência do post

O twitte aponta essa medida como algo que ainda está sendo considerado. Ainda não há uma decisão final. A notícia foi dada a uma parte dos chefes da Cinemaworld, contudo uma parte dos trabalhadores da empresa estava desavisada dessa medida.  

Cinemaworld é a maior empresa de cinemas do Reino Unido, enquanto sua subsidiária, Regal Cinemas, é a segunda maior empresa de salas de apresentação de filmes dos EUA e, segundo a Variety, as salas, em ambos os países, poderiam ser fechadas ainda essa semana.  

Nsse final de semana, a empresa de cinemas do Reino Unido, enviou uma carta ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e ao secretário de cultura Olivier Dowden, explicando que a exibição no setor era inviável. Pois, os estudios estavam adiando os grandes lançamentos para após uma solução real à pandemia global. Esse não foi um movimento que ocorreu apenas na Europa. Nos EUA uma gama de cineastas renomados enviou uma carta aberta ao governo federal para que esse ajudasse a manter a indústria cinematográfica viva. 

As fontes mais confiáveis afirmam que, em alguns locais, os cinemas poderiam ficar fechados até 2021. No Reino Unido, as salas da Cinemaworld ficaram fechadas por 4 meses, tendo reaberto em 31 de julho. A reabertura estava prevista para 10 de julho, mas não ocorreu, dado o adiamento de "Tenet". A subsidiária dos EUA, está em funcinando, em alguns estados, desde agosto.  Em locais como Los Angels, Nova York os cinemas continuam fechados, porém. E é nesse caldo de caos que o anúncio do mais novo adiamento, "007-Sem tempo para morrer", é recebido. A nova data de estreia é para abril de 2021, dia 2, para sermos exatos.

E isso causa impacto, pois os cinemas estão famintos para que, as poucas salas em funcionamento, possam receber um público, mesmo que diminuto, ávido por algum blockbuster, como se esperava que o novo 007 seria. A inviabilidade de continuar com o setor, como é afirmado na carta enviada ao primeiro-ministro da Inglaterra, destaca, entre outras coisas, esse problema.  

Há, ainda, outra questão a ser posta em jogo. A empresa que considera fechar as suas salas, de forma temporária, não avisou seus planos aos funcionários, que ficaram sabendo da provável medida através de notícias veiculadas na mídia. Estima-se que cerca de 5,500 pessoas ficariam desempregadas, caso o plano seja levado a cabo. 

 

Imagem de referência do post

 

MGM, Univeral e os produtores do filme de Bond, Michael G Wilson e Barbara Broccoli, anunciaram que o lançamento de "Sem tempo para morrer", o 25º filme na série de James Bond, será adiado para dia 2 de abril, para que esse seja um lançamento com audiência cinemática global. O anúncio foi feito na sexta-feira (2). "Nós entendemos que o atraso será desapontador para os nossos fans, mas agora estamos olhando para frente, compartilharemos 'Sem tempo para morrer' no ano que vem", completam os anunciantes. 

 

Imagem de referência do post

 

Não é completamente novo que o lançamento de um filme tão grande tenha sido adiado, uma vez que os casos de COVID-19 na Europa voltaram a crescer e que os cinemas de Los Angeles e Nova York, os 2 maiores mercados consumidores de cinema dos EUA, ainda estejam fechados. Existe também que a franquia James Bond vende ingressos de forma global, sendo consumida no mundo todo. 

O anúncio do fechamento das salas de cinema no Reino Unido e nos EUA, tem como pano de fundo o anúncio de quem mais um blockbuster não será lançado esse ano, e que outros, como "Soul", da Pixar, não sejam lançados para as grandes telas. O prospecto não é bom. Claro, não foi apenas o adiamento do novo 007 que levou a isso, como já dito, mas esse foi, sem dúvida, um duro golpe para as empresas de cinema. 

O que achou? Comente!