Microcontrolador PIC18f1330

Imagem de referência
Foto de Icaro PimentaPostado por Icaro Pimenta em 26/07/2020 11:36:01

Hoje, falaremos de um microcontrolador, da empresa Microship, chamado de PIC18f1330. Sua nomenclatura é baseada no número de pinos que ele tem, que são 18, no mínimo. Esse dispositivo serve como um "analista de lógica e automação" - você basicamente insere instruções nele e, a partir das leituras feitas, com sensores conectados nos pinos, toma ou não determinadas atitudes.

Na eletrônica, diferenciamos os microcontroladores e os microcomputadores a partir do seu poder de processamento. O controlador usa menos processamento, consequentemente, gasta menos energia.

Tendo o consumo energético como um fator crucial monetário no cenário mundial, as indústrias, a população e todos os setores, optam por dispositivos que consumam menos energia e consigam entregar o que foi prometido. Nesse sentido, o PIC entra como uma das melhores escolhas da "automação de baixo risco", que é essa automação que não considera grandes percas e não precisa de tanto processamento. O 18f1330 tem uma capacidade adaptativa muito forte, e isso concede a ele a habilidade de entregar muitas coisas e fazê-las com maior chance de êxito, haja vista que você pode configurar seus pinos até de 4 formas diferentes possíveis, enquanto seus adversários têm portas específicas imutáveis. Isso abre precedente para inúmeras utilizações, como: ler um sensor, perceber que o dado está disforme do esperado, parar as tomadas de decisão e só retornar quando a variável for corrigida e afins; e isso em apenas 1 pino!

É realmente muita capacidade!

No entanto, perde em linguagem, que, assim como a maioria de microcontroladores, é bem "rústica" (conhecida, no universo da computação, como de baixo nível). Ou seja, essa linguagem, que é distante da língua humana, torna-se mais difícil de compreender. Sua capacidade de processamento também é um fator a ser considerado, tendo em vista que este componente não pode ser utilizado quando há um risco, sendo dependente de uma garantia de velocidade e precisão.

Não obstante, o PIC18f1330 é totalmente configurável e aberto para receber as determinações do programador, executar de forma segura e de baixíssimo consumo energético. Isso pode ser visto como uma qualidade pra quem domina eletrônica e sistemas embarcados, mas, pra quem precisa de uma sketch já pronta pra rodar, pode se tornar um problema. Haja vista que o PIC precisa de algumas configurações pré-codigo - sobre quem será a fonte de clock, quantas portas serão usadas e como elas serão usadas, ou seja, pra usar o PIC - é necessário leitura e entendimento acerca do seu funcionamento e configuração, e não só lógica de programação.

Sempre, no universo da eletrônica, haverá essa discussão sobre o quanto de capacidade de processamento​ será preciso e sobre o quanto de energia o usuário estará disposto a consumir, se será rentável ao projeto ou não. A família PIC é recomendada quando não se precisa de muito processamento, e quando o consumo de energia for um fator considerável.

O que achou? Comente!