Nicolas Cage Quer Abandonar Hollywood Definitivamente

Imagem de referência
Foto de Pedro SousaPostado por Pedro Sousa em 16/07/2021 15:47:40

Nicolas Cage sabia, instintivamente, como interpretar Rob, o melancólico coletor de trufas no centro de “Pig”, pelo menos, é o que ele conta em uma entrevista fornecida à Variety.

O filme independente explora a conexão de Rob com seu porco de estimação e sua relação complicada com o passado, no qual o personagem era um renomado chef de cozinha. Cage, uma das principais estrelas de Hollywood do final dos anos 1990, e que inclusive já ganhou um oscar, relatou os sentimentos complicados de Rob sobre a fama e compartilhou com o personagem o desejo de viver fora desse mundo muito glamouroso.

Eu realmente sinto que entrei em meu próprio deserto e deixei a pequena cidade que é Hollywood. Não sei exatamente por que Rob deixou seu estrelato. Nunca é totalmente explicado, e gosto disso no filme. Mas, quanto a mim, não sei se gostaria de voltar [para Hollywood]. Não sei se quero ir e fazer outro filme da Disney. Seria assustador. É um clima totalmente diferente. Há muito medo aí. - afirma Cage

O ator já não é mais quem era quando estrelou em "Motoqueiro Fantasma", de 2007; "A Rocha", de 1996; e "Con Air", de 1997. Ele passou a última década inteira atuando em filme de baixo orçamento, alguns deles esquecíveis (“Kill Chain”, alguém?), alguns muito mais subestimados do que deveriam, como foi o caso com sua tenra virada em “Joe” de David Gordon Green, e outros muitos bons, como os clássicos "A cor que caiu do espaço" e "Willy's Wonderland".

Mas Cage diz que, mesmo quando estava voando alto, às vezes se irritava com as restrições comerciais que eram impostas às suas performances.

Quando eu estava fazendo filmes de consecutivos de Jerry Bruckheimer, isso era apenas um jogo de alta pressão. Houve muitos momentos divertidos, mas, ao mesmo tempo, também[:] 'nós escrevemos esta linha. Tem que ser dito desta forma'. Eles colocavam uma câmera em você, o fotografavam e ordenavam: 'agora diga a linha sobre as rodinhas de patins'. Eu dizia: 'eu farei isso, mas também gostaria de tentar desta forma'. Em filmes independentes, você tem mais liberdade para experimentar e ser fluido. Há menos pressão e mais oxigênio na sala. - afirma o ator

“Pig” foi uma oportunidade para Cage lembrar aos espectadores de cinema que ele é capaz de fazer um trabalho sutil após um período de atuações homéricas em filmes como “Mandy” e “Prisoners of the Ghostland” (ainda sem título no Brasil), sendo que esse o colocou em cenas mais do que desconfotáveis. 

Eu queria me lembrar e também lembrar a algumas pessoas, talvez na audiência ou na mídia, que eu também poderia me aplicar a um estilo de performance muito mais calmo e medido. Eu tinha ido nessa ruptura, quase uma missão, para quebrar a forma com a performance do filme e o que era considerado bom desempenho por ser naturalista ou foto-realista ou minimalista.

Para um filme como "Prisoners of the Ghostland", Cage diz que coreografou cada parte de sua atuação, que aplicou um estilo de atuação que ele rotula de "teatro Kabuki ocidental" (western Kabuki theater), que se baseia em vocalizações fora do ritmo, expressionismo alemão e intensidade desenfreada para criar um estilo próprio.

Memes, dezenas deles, têm se dedicado aos resultados de suas atuações. Essas que também inspiram um grande elogio da lenda Ethan Hawke, o qual equiparou Cage a Marlon Brando, quando aquele afirmou que "[Cage foi] o único ator desde Marlon Brando que realmente fez algo novo com a arte de atuar."

Com “Pig”, contudo, ele optou por fazer algo diferente.

Eu só queria aparecer no set, entrar em uma sala e carregar todas as minhas experiências de vida, quaisquer que fossem minhas memórias, quaisquer que fossem meus pesadelos na noite passada, apenas contar a história. Queria voltar a um haicai, por falta de palavra melhor [...]. Quando digo isso, quero dizer, literalmente [que] haiku tem cinco sílabas, sete sílabas, cinco sílabas, e são realmente os espaços silenciosos os quais você é levado a contemplar, que são inspirados pelas palavras e sílabas. É assim que é este filme. - declarou cage

“Pig” não é apenas um estudo de personagem. O filme também examina os laços intensos que podem se desenvolver entre humanos e animais. No caso de Rob, seu porco caçador de trufas é seu melhor amigo e única fonte de amor incondicional. Para Cage, existe um vínculo semelhante com seu gato, Merlin.

Sempre fui próximo dos meus animais. Eu acho que muitas pessoas que estão sob os olhos do público provavelmente sentem isso também. Existe uma verdade aí. Às vezes, quando você conhece alguém que o conhece de um filme, mas não o conhece como você, essa pessoa quer enfraquecê-lo de alguma forma ou vê-lo como uma parte. Você não consegue isso com os animais, então os relacionamentos com os animais se tornam os mais próximos da família. Eles se tornam aqueles que não têm nada a esconder e só querem compartilhar este momento junto com você - disse o ator

“Pig” estreia em 16 de julho, nos EUA, e os críticos estão saudando-o como um retorno à boa forma para Cage, mas não espere que o ator abandone seus projetos exagerados e seu estílo único de atuação. Cage logo será visto em “The Unbearable Weight of Massive Talent” (também sem título ainda) interpretando uma versão ficcional de si mesmo, uma estrela envelhecida que é recrutada, para ajudar a CIA.

Eu nunca vou ver esse filme. Disseram-me que é um bom filme. Disseram que as pessoas adoram e estão gostando do passeio, mas fiz isso para o público. É demais para mim ir à estreia e sentar lá com todos. Psicologicamente, isso é muito bizarro e maluco para mim - diz Cage. 

O que achou? Comente!