Shang-Chi Pode Ser Banido Da China. Entenda o Motivo.

Imagem de referência
Foto de Pedro SousaPostado por Pedro Sousa em 16/09/2021 17:55:47

De acordo com o passar dos dias, torna-se cada vez mais distante a probabilidade de que os habitantes do maior mercado consumidos de filmes do mundo, a China, veja, nos cinemas, o primeiro filme da Marvel protaginizado por um super-heroi asiático, a saber, "Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis".

Essas chances diminuíram ainda mais depois que alguns chineses descobriram conteúdos com o protagonista do longa, os quais  dizem "insulta a China". Segundo sistema judicial do país, as acusações podem levar ao banimento da estrela, do filme da Marvel e até mesmo de futuros filmes no qual o astro apareça.

A falta de um lançamento no país, caso a pena de banimento se concretize, será um péssimo resultado para a Disney, que cortejou ativamente a China para este filme e prestou homenagem a aspectos de sua rica cultura.

A ironia, contudo, reside no fato de que a maioria dos espectadores chineses que, efetivamente, assistiram ao filme o consideraram "inesperadamente bom", com alguns chegando a considerá-lo o tratamento mais respeitoso que a cultura chinesa recebeu em muito tempo nas produções do ocidente. 

Muitos telespectadores chineses comentaram, inclusive, a grata surpresa de haver tantos diálogos em chines na trama. O que demonstra uma preocupação até com o tratamento da lingua dos personagens. “Shang-Chi” arrecadou até agora 146 milhões de dólares nos Eua, e provavelmente se tornará o primeiro lançamento da Disney a ultrapassar a marca de 200 milhões de dólares desde o início da pandemia. O já o torna um grande sucesso.

Infelizmente, tanto para a Marvel quanto para os expositores chineses, “Shang-Chi” chega em um momento em que estrelas nascidas na China, mas com passaportes estrangeiros, estão sendo criticadas por lucrar em país de nascimento, ao mesmo tempo que detêm cidadania estrangeira. E é esse o caso de Simu Liu. 

Embora canadense, o ator nasceu em Harbin e fala mandarim fluentemente. Ao vê-lo como um chinês, e não como um canadense, detratores nacionalistas foram rápidos em rotular a estrela do filme de "traidor da pátria". Para esses críticos, até mesmo um vídeo sobre os petiscos asiáticos favoritos de Liu é uma evidência de sua política ofensiva.

Isso, pois, nesse vídeo, Liu elogia um chá de limão feito pela empresa de bebidas Vitasoy de Hong Kong. Contudo, há dois meses, milhões de consumidores indignados do continente pediram um boicote à empresa por ser "anti-China". Tendo como pano de fundo os recentes protestos contra o domínio da China naquele local.

A explicação do ator é a de que ele não sabia do ocorrido.  Mais problemático ainda, segundo os nacionalistas, é uma entrevista de 2017, na qual Liu discute a origem de sua família como imigrante em um vídeo que celebra o 150º aniversário do Canadá, que começou a circular nas redes sociais chinesas na semana passada.

“Quando eu era jovem, meus pais me contavam essas histórias sobre crescer na China comunista, onde havia pessoas morrendo de fome. Eles viviam no terceiro mundo. Eles pensaram no Canadá como um sonho [pipe dream], como um lugar onde poderiam ir para serem livres e criar uma vida melhor para seus filhos ”. - afirmou Simu Liu na entrevista

O site onde o vídeo estava alocado excluiu o mesmo, contudo, o texto, que ainda permanece lá diz o seguinte: 

A estrela [Simu Liu] atribui seu sucesso a seus pais imigrantes, que deixaram a China comunista e criaram uma nova vida no Canadá

Mesmo os fãs que ainda cruzam os dedos para o lançamento de "Shang-Chi" nos cinemas da China já admitiram, em sua maioria,  que após a vinda desses comentários à baila, as chances de estreia no país são pequenas. Os mesmos ainda temem por um banimento do ator. 

No entanto, em maio de 2021, as principais autoridades chinesas e os próprios meios de comunicação estatais falaram e escreveram extensivamente sobre os períodos de fome passados ​​China. Isso em um contenxto onde elogiavam o cientista chinês Yuan Longping, que ficou famoso por desenvolver variedades de arroz de alto rendimento que ajudaram o país a superar aquele problema. 

Enquanto as referências de Liu à pobreza do passado na China são condenadas como calúnias, as referências oficiais são encorajadas como parte da narrativa de como a liderança do Partido Comunista trouxe prosperidade ao país. O desfecho, até o momento da publicação desse artigo, é incerto, contudo, uma boa parte dos chineses torce, para que o longa faça logo sua estreia no país. Ao passo que uma outra parte dos cidadãos, são contra tal ideia. 

 

Fonte: Variety

O que achou? Comente!